Wednesday, September 7, 2011

Cuidando do meu cabelo crespo



Resolvi dar meu testemunho de fé com relação aos cuidados que tenho com meu cabelo. Não sem antes dar uma filosofada, óbvio, que ninguém é de ferro. 

Vamulá: eu comecei a alisar os cabelos aos seis anos de idade. Eu sofria bullyings constantes na escola e implorava para que a minha mãe "desse um jeito" na cabeleira. Resumindo, eu odiava meu cabelo com todas as forças, porque queria ser aceita e na escola o máximo de aceitação que eu experienciava era a professora pegar todos os meus materiais (oh, gentileza!) e colocá-los na última carteira (senta lá, Flávia!), pois meu cabelo estava "atrapalhando" a vista do guri que sentava atrás de mim. 

Daí que eu comecei com uma touca de gesso química (com um alisante à base de soda), e desde então sucederam-se inúmeras tentativas de domar a juba com muitos, muitos produtos fortes. E devo confessar que minha mãe gastou uma fortuna comigo para tentar sanar essa insatisfação eterna que eu sentia com meu cabelo. 

E nessa minha jornada de alisar cabelo, eu já ouvi de tudo. Mas vou poupá-las, porém, dos bullyings que sofri, senão não cabe no post =D

Assim fui vivendo até descobrir, já adulta, que na verdade eu não gostava tanto assim de cabelo alisado. Eu ficava feliz e panz, balançava o cabelo sedoso mas... parece que faltava algo. Sério, eu me olhava no espelho, namorava comigo mesma, mas ficava sempre aquela sensação de que aquilo ali não era eu. 

Bom, esse algo que me faltava era a identidade. Porque eu me sentia uma caricatura de uma mulher branca, nada além disso. Tanto que quando tive contato com a teoria do "tornar-se negro", a identificação foi mais que imediata.

Enfim. Demorou um tanto até eu decidir deixar o cabelo natural, e essa demora tem, entre outros, alguns motivos práticos. Eu não aguentava deixar a raiz crescer e não suportava a idéia de uma mudança radical, ou seja, cortar curto. E assim eu seguia, ficando às vezes até uns 8 meses sem fazer retoque de raiz, mas sempre surgia um bad hair day que era pior que os outros bad hair days e me fazia correr para o salão pra alisar o cabelo novamente. 

E eu não vou negar nem mentir pra ninguém: alisar a raiz é prático. Você acorda praticamente pronta pra tudo, não precisa gastar tempo tentando dar um jeito/disfarçar aquela raiz imeeeensa que tem uma textura totalmente diferente do resto do seu cabelo que já sofreu alisamento. Mas que graça tem toda essa praticidade se aquilo ali não é o que você quer, assim, de verdade?

Foi aí que me veio a peripécia: conheci, através da amiga Deb, o método da Curly Girl, criado pela americana Lorraine Massey e que faz muito sucesso entre as americanas. Já senti que a coisa ia dar certo quando bati o olho na chamada feita no wikihow:

Você sofre com seu cabelo cacheado que está seco, danificado, cheio de frizz e incontrolável? Você está aberta para tentar algo novo? O método Curly Girl (também conhecido como "no-poo") é baseado no livro "Curly Girl" da Lorraine Massey. O apelido "no-poo" faz alusão ao não uso de shampoo de sulfato, porque os sulfatos tendem a despir o cabelo de seus óleos naturais. Assim que você tira os sulfatos, o seu cabelo poderá reter a sua umidade natural. 

Eu já havia tentado de tudo nessa minha vida, mas essa história de ficar sem shampoo eu ainda não tinha ouvido, não. O método consiste, basicamente, em retirar o shampoo e evitar produtos que contenham silicone no seu cabelo (incluindo o famoso óleo mineral). 

Explicando a questão do shampoo: a maioria dos shampoos contém sulfatos fortes que danificam muito os cabelos crespos (tais como: ammonium laureth sulfate, ammonium lauryl sulfate, sodium laureth sulfate, sodium lauryl sulfate, etc). É interessante notar que, independente da quantidade, esses são elementos químicos utilizados em detergentes de lavar louças, e você jogar um elemento desses no seu cabelo que já tem a tendência para ressecar absurdamente seria problema na certa, não? 

Agora, com relação aos silicones: a curto prazo, eles combatem bem o frizz, mas ao longo do tempo eles vão acabar encapando tanto o cabelo que nenhuma umidade entra neles, o que vai dar a aparência de palha seca, sem contar o frizz que fica. 

Dessa forma, os silicones resolvem a questão do frizz de forma imediata, mas a longo prazo eles estão é danificando os fios. E os sulfatos lavam os silicones, mas lavam também toda a oleosidade natural, o que acaba sendo ruim pro seu cabelo.Daí você entra naquele círculo vicioso sem-fim: cada vez buscando um condicionador mais potente porque o anterior parece não resolver mais nada, pois o cabelo parece que cansa. 

Diante disso tudo, eu fiquei na dúvida: como proceder? Resolvi que o primeiro passo seria o mais difícil pra mim. Fazer o BC, abreviação para Big Chop (algo como o Grande Corte em português). Deixei a raiz crescer até um tamanho razoável (pra não ficar joãozinho de tudo) e encarei a tesoura. Foi um misto de sentimentos, mas eu garanto pra vocês que a sensação de liberdade e curiosidade de ver como meu cabelo natural era na real falaram mais alto. Saí quase aos pulos do salão. 

Então eu tentei ficar sem usar shampoo e silicone, e confesso que consegui por três semanas. Fiz a lavagem profunda como elas sugerem, com um shampoo de limpeza profunda, e mijoguei no método: lavar o cabelo só com o condicionador, esfregando bem no couro cabeludo e depois repetindo a dose ao longo dos fios . Não deu certo, porque eu realmente não aguentei ficar sem shampoo. 

Porém, confesso que nessas três semanas em que eu fazia só o co-washing (a tal da lavagem só com condicionador), a textura do meu cabelo melhorou. Os fios ficaram mais brilhantes e maleáveis. Mas eu sentia a necessidade de lavar com mais frequência e o que é pior, não ficava com aquela sensação de limpeza no coco que só o shampoo dá. 

Fui ao salão de beleza e comprei um shampoo desses bons que custam uma fortuna e vêm com a promessa de hidratação em sua composição. Meu cabelo o que fez? Entrou em pânico, tadinho. Não ficava como eu queria de jeito nenhum, e olha que eu estava com o cabelo bem curto. Ficava duro, e aquela impressão de hidratação boa, com textura de flocos de algodão, tinha ido para o brejo. 

Foi aí que eu resolvi diluir o shampoo e reduzir seu uso. Se antes eu lavava a cabeça com shampoo a cada três dias, eu passei a lavar a cada sete. E entre uma lavagem e outra eu passei a fazer o co-washing. E não é de ver que tem dado certo? Sem contar que eu nunca mais usei o shampoo sem estar diluído, não importa quão suave e caríssimo ele seja. 

E eu não consegui me libertar totalmente dos silicones. Simplesmente tem dias que você precisa modelar seu cabelo de um jeito ou de outro, e nessa hora as pomadas estão aí pra isso mesmo. Também não vou ser xiita. Mas que dá pra diminuir, isso dá. 

Bom, esse post já ficou grande demais, então vou continuar falando disso em outra feita. Pra quem quiser tentar o método, eu super-indico. Pra quem não consegue viver sem shampoo de tudo como eu, o que eu recomendo é a diluição. Tipo, uma parte de shampoo para dez de água, algo assim. Experimentar coisas novas no cabelo é sempre bom, e pra quem já fez muita química eu tenho certeza que esse método é café pequeno. 

Passo-a-passo (em inglês) para seguir o método Curly Girl aqui. Um site ótimo com muitas dicas de beleza para cabelos naturais aqui (em inglês também). Vários vídeos legais (inglês again) e que dão inspiração para cortar o cabelo curtinho aqui

6 comments:

Natasha Santos said...

Flááá...
Que bom q voltou com o blog, adoro seus posts, vc escreve muito bem :)
ahhh... falando em cortar os cabelos, eu até comentei sobre isso no facebook essa semana, tô morrendo de vontade de cortar o meu, mas tô morrendo de medo da mudança, até pq eu tenho o rosto tããão redondo, que não combina muito com cabelo curtinho.
Vou tentar ficar sem shampoo, eu quero meus cachinhos de volta, mas só na base do corte mesmo, pq ainda tem muito resto de quimica nas minhas madeixas.
Ficou linda, beijão :*

Flávia said...

Naty, que bom vê-la aqui! Obrigada! E eu acho que se vc deixar a raiz crescer um pouco mais vai ficar legal sim, não precisa deixar beeem curtinho não. Beijos!

Iseedeadpeople said...

Bah, e minha vida toda eu sonhei em ter cabelos cacheados lindos =((( e só esse liso chato que não para nem presilha nem grampo....
acho cabelo liso lambido muito feio, e detesto essa moda ridícula da chapinha.Acho um estilo de cabelo muito sem personalidade e sem sal, e por isso mesmo, p evitar do meu ficar assim (sonho de 11 entre 10 mulheres), é q sempre corto repicado e curto.

Meninas, vcs de cabelo crespo tem PERSONALIDADE, tem sal, tem tchan, tem um ar selvagem de mulher forte... meu Deus, como vcs não valorizam isso????

Helena said...

Flávia, depois que li o teu comentário ao meu comentário ao meu comentário lá no blog da Lola, resolvi espiar teu blog... E fiquei surpreendidamente feliz com esse texto sobre os cabelos crespos porque me identifiquei muito com ele... Até os 16 anos, vivi em briga com meu cabelo cacheado. Nas férias de inverno do 3º ano do 2º grau, tomei aquela decisão dificílima: dei um reiniciar no cabelo, cortei curto, fiquei parecendo um cotonete. Mas valeu muuuuito a experiência porque meu cabelo ressurgiu das trevas e hoje, passados mais de 10 anos da quele corte radical, estou super super super feliz com meu cabelón. Lavo ele todos os dias pela manhã e não troco ele por nenhuma escova japonesa/marroquina/de chocolate desse mundo. Sabe por quê?? Porque com meu cabelo assim eu me sinto verdadeiramente eu, sem ficar refém da última moda ou daquilo que todas as mulheres estão fazendo para ficarem iguais a todas (leia-se loiro e alisado).... Abraço!!

Carol said...

Gente, eu rodo, rodo, rodo pela internet e sempre dou de cara com a Sheila em algum lugar!

Nem imagino como seja o meu cabelo sem "a química", já que a minha mãe foi submetida a isso logo cedo e fez o mesmo comigo. Lembro que eu era pequena e choraaava na hora de passar os produtos porque minha cabeça ficava toda ardendo. Diziam que era a "dor da beleza" e desde aquela época tomei pavor dessa expressão, porque tenho um amor muito grande por mim e não fico me submetendo à dor nenhuma sem um bom motivo...e ter cabelo liso nunca me pareceu um. Meu problema não é assumir o cabelo crespo, mas lutar contra a preguiça mesmo. Até hoje só aliso quando a minha mãe faz todo o esforço para isso, não tenho paciência para cuidar de cabelo. Mas, agora que você deu essas ideias...hum, vamos ver se posso colocá-las em prática. Lindo mesmo seria minha mamis colocá-las e esquecer aquela chapinha maldita pra sempre! :)

Sara said...

Eu tenho cabelos muito secos e meu cabeleireiro me disse que existem certos alimentos que ajudam a melhorar a qualidade do cabelo. Ele me disse que há vários restaurantes em sao paulo na carta diz que os benefícios de cada prato. Eu vou tentar e, em seguida, dizer-lhe. Beijos